domingo, 7 de julho de 2013

Invisibilidade Lésbicas, Fetiche e Lesbofobia

Leonarda Lisboa

A sexualidade das mulheres que não são heterossexuais é constantemente diminuída (mais ainda que a das mulheres heterossexuais): enquanto o homem gay "não tem salvação", a mulher lésbica ou bissexual "ainda não encontrou um homem de verdade", "tá tentando chamar atenção" ou "está só experimentando". Ou, claro, "queria ser um homem".

A nossa tão (machistamente) falada ausência de desejo sexual torna o sexo lésbico sem sentido: por que outro motivo uma mulher faria sexo, se não para agradar um homem? Como pode ser prazeroso o sexo entre duas mulheres se "falta alguma coisa"? Só podemos nos interessar por outras mulheres se tivermos tido algum "trauma com homens", é o que nos dizem; por nenhum outro motivo abriríamos mão do privilégio da heterossexualidade.

Podemos, é claro,fingir que abrimos mão: existe, afinal, algo mais fetichizado do que o sexo lésbico? Uma fantasia mais comum do que aquela em que o homem vê duas mulheres juntas, resolve interferir e só então a experiência fica completa? A ideia de que duas mulheres juntas são um óbvio convite a um ménage à trois é, além de desrespeitosa, cansativa. E é a "menor" das violências a que estamos sujeitas: numa busca rápida no Google, encontramos inúmeros casos de lésbicas, muitas vezes casais, agredidas na rua ou dentro de casa, por desconhecidos ou pelos próprios familiares.

Tal obsessão heteronormativa chega a extremos: não são raros os casos de estupro corretivo de mulheres lésbicas e bissexuais que pretendem, como o nome diz (porque quem denomina tal prática são seus praticantes e "apoiadores"), corrigir a orientação sexual dessas mulheres, mostrar a elas o que é certo em termos de práticas sexuais e ensiná-las a não mais errar – e até tais casos de abuso e violência são invizibilizados.

Até mesmo na comunidade LGBT não é incomum a descrição incrivelmente preconceituosa do sexo lésbico como inferior, sim inferior, ao sexo gay " sem graça, como poderia haver sexo sem penetração?!" e o gouinage praticado por homens homo é visto e criticado amplamente por ser uma aproximação ao sexo entre mulheres - UMA ETERNA PRELIMINAR.

Primeiramente devemos lembrar que o sexo lésbico (e todo sexo) existe independente da penetração e que essa fixação pela necessidade de um pênis para viabilizar a relação se baseia no conceito machista de que o pênis é o foco da relação, que o ponto alto de uma relação é a ejaculação masculina - discurso criado para supervalorizar o homem e a fecundação, assim como a procriação e portanto repete a heterormatividade e a binariedade dos gêneros mesmo em relações homossexuais.

Segundo, desconsidera que exista a penetração no sexo lésbico dependendo dos desejos das praticantes, mas mesmo esse é desvalorizado pois só considera válida a penetração com o pênis.

E em terceiro, o gouinage embora derive do francês "lesbianismo" é um termo baseado num conceito machista e unilateral do lesbianismo, é uma prática sexual única e válida, mas que difere do sexo lésbico em sua totalidade, pois o sexo lésbico é amplo e diversificado demais para essa crua comparação com gouinage, que sempre é visto como o "sexo preliminar".

Em uma sociedade heteronormativa e machista a sexualidade da lésbica é fetichizada, ironizada e desprezada; parece pregar ser impossível a felicidade e satisfação feminina sem o masculino. Já dizia Ovídio, na Roma Antiga: "relações entre mulheres não existem" e ainda hoje, de um jeito ou de outro, repetimos esse discurso.

Nenhum comentário:

ESTAMOS DE OLHO!

Pesquisa do Senado sobre a PLC 122/06 que criminaliza a HOMOFOBIA:

Os resultados da pesquisa de opinião realizada pelo Senado Federal a respeito da PL 122/06, que criminaliza a homofobia e outros crimes de discriminação, ainda não foram divulgados.

Isso nos preocupa um pouco, na medida em que os resultados acompanhados em tempo real pelo site, durante o mês de novembro, em vários momentos retrocederam em números reais.
Órgãos da imprensa noticiavam tentativa de invasão e possíveis alterações dos resultados (favorecendo o NÃO ao projeto).
Mandamos - novamente - mensagem ao "Alô Senado" esta semana para saber o que realmente ocorreu e ficaremos acompanhando suas respostas já que este projeto, além de interesse público geral, é de interesse específico das mulheres lésbicas de todo o país.

PESQUISA - divulgação de resultados

PESQUISA - divulgação de resultados
02 locais e horários diferentes em Porto Alegre, dia 11-05

Feministas unificam apresentação da pesquisa!

A apresentação da pesquisa "Mulheres Brasileiras nos espaços Públicos e Privado" será apresentada para TODO O MOVIMENTO FEMINISTA num único horário em POA:
11-05, das 9 às 11h30, no Auditório da CUT-RS.

Adote esta campanha!

Adote esta campanha!
Acorda Congresso!

Pela Aprovação do PLC122/06

Pela Aprovação do PLC122/06
Vote a favor do projeto pelo link http://www.naohomofobia.com.br/

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres
16 dias de ativismo

Homens pelo fim da Violência contra as mulheres

Homens pelo fim da Violência contra as mulheres
http://www.homenspelofimdaviolencia.com.br/

SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

MANIFESTO LÉSBICO FEMINISTA ANTI-CAPITALISTA

29 de Agosto de 2008
Cique AQUI para acessar