segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Delegado do Amazonas diz que vítimas de pedofilia são "meninas rodadas"

KÁTIA BRASIL
26/11/2012 - 20h55

DE MANAUS

O delegado-geral da Polícia Civil do Amazonas, Josué Rocha, usou a expressão "meninas rodadas" ao ser questionado nesta segunda-feira (26) pela Folha se empresários e políticos investigados por crimes de pedofilia e prostituição de crianças e adolescentes tinham preferência por menores virgens.

Polícia busca empresários e políticos suspeitos de pedofilia no AM
Virgindade de meninas índias vale R$ 20 no Amazonas
Exploração sexual de garotas indígenas é denunciada desde 2008

"Essa questão [compra] da virgindade não foi detectada, até porque, quando uma menina começou com 13 anos, ela não era mais virgem. São meninas rodadas, exatamente, são meninas que tiveram passagens por vários clientes", afirmou, em Manaus, o delegado-geral.

Na última sexta-feira (23), a Polícia Civil desencadeou operação contra esse tipo de crime. Oito pessoas, suspeitas de agenciar as meninas, continuam presas, preventivamente. Cerca de 30 garotas, com idades de 12 a 17 anos, já prestaram depoimentos.

Josué Rocha disse que o número de "clientes" investigados chegou a 18. Eles foram denunciados pelas menores, entre os quais empresários do ramo da educação e da construção e donos de hotéis, boates e supermercados.

Segundo a polícia, os "clientes" pagavam os programas com roupas, celulares, máquinas fotográficas e dinheiro.

"As vítimas não relutaram em declarar seus algozes", afirmou o delegado-geral.

Procurado pela reportagem, o coordenador do Centro de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Amazonas, promotor Fábio Monteiro, criticou a declaração do delegado-geral Josué Rocha sobre a virgindade das meninas.

"É uma visão completamente equivocada e infeliz [do delegado]. Pessoas nessa faixa etária não têm experiência de vida suficiente, daí ser proibido por lei a prostituição infantil e a pedofilia", afirmou.

A operação "Estocolmo" é dirigida pela Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente. Os crimes investigados são estupro de vulnerável, exploração sexual e rufianismo (obtenção de lucro através de exploração sexual).

FRONTEIRA

Em São Gabriel da Cachoeira, fronteira com a Colômbia, a Polícia Civil abriu inquérito em 2011 para investigar crime de exploração sexual contra meninas indígenas. Elas denunciaram nove homens, mas nenhum deles foi preso ou indiciado.

Devido a morosidade da investigação na Civil, a Procuradoria Geral da República pediu a federalização de três inquéritos. O Tribunal de Justiça do Amazonas ainda não se posicionou sobre o deslocamento dos inquéritos à Polícia Federal. Até o momento os suspeitos não prestaram depoimentos na polícia.

Nenhum comentário: