quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Carvalho pede desculpas e evangélicos veem mal-estar resolvido

O Movimento LGBT do Brasil não pode deixar esta notícia passar em Branco.
Os religiosos fundamentalistas pensam que vão barrar os avanços sociais e de direitos humanos no Brasil, estão enganados.
 
Está na hora de a Presidente e os Ministérios definirem como pensa "O Governo".
Não dá para aceitarmos que um ministério pense de um jeito e outro de jeito contrário, antagônico.
 
Os Direitos Sexuais e Reprodutivos são ou não são pauta do governo Dilma? O Brasil vai continuar na contramão da história, com legislação mais atrasada que a maioria dos países da América Latina, ou vai deixar que a sociedade siga seu curso?
 
Existimos respeito a LAICIDADE DO ESTADO BRASILEIRO!
================================================

Carvalho pede desculpas e evangélicos veem mal-estar resolvido

BRASÍLIA, 15 Fev (Reuters) - A controvérsia entre a Frente Parlamentar Evangélica e o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, por conta de supostas declarações do ministro que provocaram mal-estar na bancada, é assunto encerrado após pedido de desculpas, afirmou nesta quarta-feira o presidente da frente, João Campos (PSDB-GO).

Carvalho participou de uma reunião com a bancada evangélica no Congresso para acalmar os ânimos, inflamados após afirmações atribuídas ao ministro. Ele teria dito, durante o Fórum Social Mundial no mês passado, em Porto Alegre, que o Estado deveria promover uma "disputa ideológica" com as igrejas evangélicas pela influência nas classes emergentes.

"(Carvalho) se retratou de forma sincera e honesta", disse Campos. "Para a Frente Parlamentar evangélica essa é uma matéria vencida", declarou o presidente a jornalistas.

Durante a reunião, Carvalho sustentou que houve uma "interpretação equivocada" de suas declarações e que seria uma "loucura" a tese de que o governo estaria se preparando para disputar espaço com as igrejas.

"Está resolvido o problema e o pedido de desculpas, de perdão, que fiz não foi pelas minhas palavras, foi pelo sentimento que elas provocaram em alguns deputados e senadores em função das interpretações que surgiram em Porto Alegre", disse o ministro após o encontro com os evangélicos, ressaltando que o governo considera as igrejas como "parceiras", principalmente no âmbito do programa de erradicação da pobreza "Brasil sem Miséria".

A ida do ministro ao Congresso para o encontro com a frente e o pedido de desculpas aparentemente interrompem a indisposição com a bancada evangélica, que nutria dúvidas a respeito da postura do governo em relação a temas polêmicos, como a legalização do aborto e de casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Carvalho levou à bancada um recado da presidente Dilma Rousseff, reiterando seu compromisso de campanha segundo o qual o governo não tomará iniciativas para modificar a legislação existente sobre o aborto e casamento entre homossexuais.

Reportagem de Maria Carolina Marcello

http://br.reuters.com/article/topNews/idBRSPE81E09Z20120215

Nenhum comentário: