quinta-feira, 27 de junho de 2013

De pé 13h pelo direito ao abordo

banner
A senadora democrata Wendy Davis conseguiu um feito maravilhoso ontem de madrugada.   Um projeto de lei deveria ser votado até o prazo de meia-noite de ontem. Caso passasse do prazo, não poderia mais ser considerado válido. Igual aconteceu com nosso ‘cadastro Nacional de gestantes’.  O projeto de lei, entre outras coisas, restringia enormemente o acesso ao aborto no estado americano do Texas. Reduzia o prazo em que era legal abortar, exigia das clínicas que faziam abortos uma grande quantidade de equipamentos e readequações desnecessárias e caras, numa série de medidas que, se implementadas, forçariam o fechamento de 37 das 42 clínicas que ofereciam o serviço de aborto no Texas. Ou seja, o aborto continuaria legal, mas o acesso a ele seria incrivelmente restrito, especialmente para quem vive em zonas rurais.   Caso a votação fosse feita, a lei seria aprovada com certeza. A maioria republicana na casa é toda ‘pró-vida’ - leia-se pró controlar o útero alheio.   Mas há uma pequena regra de conduta que poderia ser aproveitada, chamada Fillibuster. Ela diz que uma pessoa pode se dirigir ao presidente do Parlamento e falar por quando tempo quiser - sobre o assunto em pauta, especificamente. No livro de regras é estabelecido que ele (sic) deve permanecer de pé, sem se inclinar ou apoiar na sua mesa, sem interromper o seu discurso, a menos que seja para responder perguntas ou resolver questões burocráticas, sem ir no banheiro nem comer, nem beber água. Caso a pessoa quebrasse qualquer uma dessas regras, teria um ‘demérito’, por assim dizer, e 3 deméritos significavam que o Fillibuster deveria ser interrompido e dariam continuidade às votações.   Isso mesmo. Era praticamente um Jogos Vorazes capacitista. Capacitista porque presume que toda pessoa tem a capacidade de ficar de pé. E se a senadora fosse cadeirante? Não teria direito de falar? Então, o absurdo da situação era além de um Reality Show. (quem ficar com a mão no carro por mais tempo ganha, uhuu).  O objetivo de Wendy Davis era o de falar até que o prazo para aprovação da lei passasse. Para isso, ela tinha que falar durante 13 horas sem parar. De pé. No mesmo lugar.   Republicanos a todo tempo tentavam interromper e desencorajar o discurso da senadora. Ela recebeu dois ‘deméritos’: Um por ‘sair do assunto’ - aparentemente falar sobre ultra sonografia não estava dentro do assunto do aborto segundo republicanos, apesar deles mesmos terem anteriormente passado leis para restringir o aborto que exigia que se fizesse uma ultra sonografia desnecessária e invasiva.   O segundo demérito foi novamente capacitista: Ela precisou de ajuda para colocar um suporte nas costas - de acordo com o livro de regrinhas, isso era ilegal. Fico pensando que se a Senadora tivesse desmaiado, ou levasse um tiro no meio do discurso, iam também descontar um demérito.   No terceiro demérito, os manifestantes dentro do parlamento gritaram tanto que não consegui ouvir. A senadora já estava de pé por 10 horas e meia discursando.   A partir daí, diversos democratas passaram a fazer um jogo de enrolação do presidente. Questionando os deméritos, revisando o livro de regras da casa, fazendo perguntas ao presidente, de forma a preencher o tempo o máximo possível, para tentar cumprir a meta da senadora e barrar a lei.   Nos últimos 10 minutos, um momento de desespero: As votações tinham começado.   E aí o povo começou a gritar.   O barulho extremo das milhares de pessoas dentro e fora da casa forçou a interrupção da votação. Elas permaneceram gritando durante mais de 10 minutos sem parar. Foi um momento maravilhoso. Democratas faziam sinais de aprovação, republicanos tentavam em vão retomar o voto, e Wendy Davis continuava de pé após 13 horas.   O prazo passou.   O presidente da câmara ainda tentou fazer a votação, ilegalmente, após o fim do prazo. A confusão começou. Republicanos editavam as datas para fingir que a votação tinha ocorrido no dia 25 e não no 26. Democratas questionavam a ilegalidade da votação. #StandWithWendy (fique de pé com Wendy) estava nos TTs do mundo inteiro. 130 mil pessoas assistiam o vídeo ao vivo, apesar de nenhum canal de televisão estar cobrindo a votação.   As 2 horas da manhã, uma vitória, finalmente. A mensagem de texto da senadora avisando que a lei estava morta. A votação tinha começado após o prazo de meia-noite. O direito ao aborto saiu ileso no Texas, dessa vez. Quaisquer outras tentativas de reavivar a lei estarão fora da legalidade ( o que não significa que não vão tentar).  E eu descobri uma nova pessoa pra admirar. A senadora que ficou de pé por 13 horas pelo direito ao aborto.   Wendy Davis, você é a nossa Khaleesi.   (x)
A senadora democrata Wendy Davis conseguiu um feito maravilhoso ontem de madrugada. 
Um projeto de lei deveria ser votado até o prazo de meia-noite de ontem. Caso passasse do prazo, não poderia mais ser considerado válido. Igual aconteceu com nosso 'cadastro Nacional de gestantes'.
O projeto de lei, entre outras coisas, restringia enormemente o acesso ao aborto no estado americano do Texas. Reduzia o prazo em que era legal abortar, exigia das clínicas que faziam abortos uma grande quantidade de equipamentos e readequações desnecessárias e caras, numa série de medidas que, se implementadas, forçariam o fechamento de 37 das 42 clínicas que ofereciam o serviço de aborto no Texas. Ou seja, o aborto continuaria legal, mas o acesso a ele seria incrivelmente restrito, especialmente para quem vive em zonas rurais. 
Caso a votação fosse feita, a lei seria aprovada com certeza. A maioria republicana na casa é toda 'pró-vida' - leia-se pró controlar o útero alheio. 
Mas há uma pequena regra de conduta que poderia ser aproveitada, chamada Fillibuster. Ela diz que uma pessoa pode se dirigir ao presidente do Parlamento e falar por quando tempo quiser - sobre o assunto em pauta, especificamente. No livro de regras é estabelecido que ele (sic) deve permanecer de pé, sem se inclinar ou apoiar na sua mesa, sem interromper o seu discurso, a menos que seja para responder perguntas ou resolver questões burocráticas, sem ir no banheiro nem comer, nem beber água. Caso a pessoa quebrasse qualquer uma dessas regras, teria um 'demérito', por assim dizer, e 3 deméritos significavam que o Fillibuster deveria ser interrompido e dariam continuidade às votações. 
Isso mesmo. Era praticamente um Jogos Vorazes capacitista. Capacitista porque presume que toda pessoa tem a capacidade de ficar de pé. E se a senadora fosse cadeirante? Não teria direito de falar? Então, o absurdo da situação era além de um Reality Show. (quem ficar com a mão no carro por mais tempo ganha, uhuu).
O objetivo de Wendy Davis era o de falar até que o prazo para aprovação da lei passasse. Para isso, ela tinha que falar durante 13 horas sem parar. De pé. No mesmo lugar. 
Republicanos a todo tempo tentavam interromper e desencorajar o discurso da senadora. Ela recebeu dois 'deméritos': Um por 'sair do assunto' - aparentemente falar sobre ultra sonografia não estava dentro do assunto do aborto segundo republicanos, apesar deles mesmos terem anteriormente passado leis para restringir o aborto que exigia que se fizesse uma ultra sonografia desnecessária e invasiva. 
O segundo demérito foi novamente capacitista: Ela precisou de ajuda para colocar um suporte nas costas - de acordo com o livro de regrinhas, isso era ilegal. Fico pensando que se a Senadora tivesse desmaiado, ou levasse um tiro no meio do discurso, iam também descontar um demérito. 
No terceiro demérito, os manifestantes dentro do parlamento gritaram tanto que não consegui ouvir. A senadora já estava de pé por 10 horas e meia discursando. 
A partir daí, diversos democratas passaram a fazer um jogo de enrolação do presidente. Questionando os deméritos, revisando o livro de regras da casa, fazendo perguntas ao presidente, de forma a preencher o tempo o máximo possível, para tentar cumprir a meta da senadora e barrar a lei. 
Nos últimos 10 minutos, um momento de desespero: As votações tinham começado. 
O barulho extremo das milhares de pessoas dentro e fora da casa forçou a interrupção da votação. Elas permaneceram gritando durante mais de 10 minutos sem parar. Foi um momento maravilhoso. Democratas faziam sinais de aprovação, republicanos tentavam em vão retomar o voto, e Wendy Davis continuava de pé após 13 horas. 
O prazo passou. 
O presidente da câmara ainda tentou fazer a votação, ilegalmente, após o fim do prazo. A confusão começou. Republicanos editavam as datas para fingir que a votação tinha ocorrido no dia 25 e não no 26. Democratas questionavam a ilegalidade da votação. #StandWithWendy (fique de pé com Wendy) estava nos TTs do mundo inteiro. 130 mil pessoas assistiam o vídeo ao vivo, apesar de nenhum canal de televisão estar cobrindo a votação. 
As 2 horas da manhã, uma vitória, finalmente. A mensagem de texto da senadora avisando que a lei estava morta. A votação tinha começado após o prazo de meia-noite. O direito ao aborto saiu ileso no Texas, dessa vez. Quaisquer outras tentativas de reavivar a lei estarão fora da legalidade ( o que não significa que não vão tentar).
E eu descobri uma nova pessoa pra admirar. A senadora que ficou de pé por 13 horas pelo direito ao aborto. 
Wendy Davis, você é a nossa Khaleesi. 

Nenhum comentário:

ESTAMOS DE OLHO!

Pesquisa do Senado sobre a PLC 122/06 que criminaliza a HOMOFOBIA:

Os resultados da pesquisa de opinião realizada pelo Senado Federal a respeito da PL 122/06, que criminaliza a homofobia e outros crimes de discriminação, ainda não foram divulgados.

Isso nos preocupa um pouco, na medida em que os resultados acompanhados em tempo real pelo site, durante o mês de novembro, em vários momentos retrocederam em números reais.
Órgãos da imprensa noticiavam tentativa de invasão e possíveis alterações dos resultados (favorecendo o NÃO ao projeto).
Mandamos - novamente - mensagem ao "Alô Senado" esta semana para saber o que realmente ocorreu e ficaremos acompanhando suas respostas já que este projeto, além de interesse público geral, é de interesse específico das mulheres lésbicas de todo o país.

PESQUISA - divulgação de resultados

PESQUISA - divulgação de resultados
02 locais e horários diferentes em Porto Alegre, dia 11-05

Feministas unificam apresentação da pesquisa!

A apresentação da pesquisa "Mulheres Brasileiras nos espaços Públicos e Privado" será apresentada para TODO O MOVIMENTO FEMINISTA num único horário em POA:
11-05, das 9 às 11h30, no Auditório da CUT-RS.

Adote esta campanha!

Adote esta campanha!
Acorda Congresso!

Pela Aprovação do PLC122/06

Pela Aprovação do PLC122/06
Vote a favor do projeto pelo link http://www.naohomofobia.com.br/

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres
16 dias de ativismo

Homens pelo fim da Violência contra as mulheres

Homens pelo fim da Violência contra as mulheres
http://www.homenspelofimdaviolencia.com.br/

SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

MANIFESTO LÉSBICO FEMINISTA ANTI-CAPITALISTA

29 de Agosto de 2008
Cique AQUI para acessar