segunda-feira, 15 de abril de 2013

Fwd: [LBL-nacional:11774] "Galo Queer"

A corajosa "Galo Queer": cientista social funda movimento anti-homofobia na torcida do Atlético-MG

Por Por Thales Machado, para o ESPN.com.br
Reprodução
Página da GaloQueer no Facebook: torcida contra a intolerância
Página da GaloQueer no Facebook: torcida contra a intolerância
"Galo é amor, não é intolerância". Com o lema impactante e o símbolo do Atlético-MG colorido com as cores do movimento LGBT, a Galo Queer, fundada por uma cientista social belorizontina, vem mexendo com opiniões da torcida atleticana. Pudera, trata-se de um movimento que almeja questionar um dos tabus mais fortes do futebol moderno. Definido como "movimento anti-homofobia e anti-sexismo no futebol dos torcedores do Atlético Mineiro", a página no Facebook do grupo acumulou mais de duas mil curtidas e muitas críticas em pouco mais de 24 horas de existência. 

"Sou atleticana e gosto de futebol desde criança. Passei mais de um ano morando no exterior onde me envolvi com estudos de gênero e da teoria feminista. Quando voltei para o Brasil e para o estádio, vi de um jeito que nunca tinha visto antes. Fiquei muito atônita com a naturalidade e a naturalização da homofobia. Senti um incômodo e uma urgência de fazer algo em relação a isso", conta Nathalia, cientista social, que pediu à reportagem da ESPN.COM.BR para que não tivesse seu sobre nome divulgado.

Reprodução
Cássia Eller, homossexual assumida, era torcedora do Galo
Cássia Eller, homossexual assumida, era torcedora do Galo
Entre críticas, preconceitos, curtidas e compartilhamentos

O fato de não querer ser reconhecida pelo movimento que criou mostra um receio grande da recepção do movimento por parte da torcida. Mensagens condenando a iniciativa não faltam na página, privadas e públicas. Nathalia conta ter recebido mensagens agressivas e ameaçadoras na página do movimento. As críticas vão de mensagens preconceituosas, apelos para que a página seja excluída, desconfiança de que tudo não se passa de uma brincadeira dos rivais cruzeirenses e muita reclamação acerca do símbolo do movimento, que "coloriu" o tradicional escudo do time mineiro.

"Quando se fala de futebol, a gente mexe em um terreno muito conservador e em uma torcida tão grande como a do Atlético pode haver todo tipo de pessoas. Teve gente ficou muito revoltada e não sei até que ponto eles podem levar a questão a outro nível", pondera Nathalia, que considera a reclamação sobre o escudo um reflexo da dificuldade que a sociedade tem de romper com o que é tradicional. 

Divulgação
Galo Queer, fundada por uma cientista social belorizontina
Galo Queer, fundada por uma cientista social belorizontina
Manifestações positivas não faltam no outro lado da moeda. Um rápido crescimento de membros na página pode ser observado. Às 18h desta Quinta-Feira, a página já contava com 2148 fãs. Torcedores de outros times chegaram a deixar recados apoiando a causa, e o conteúdo criado é constantemente "curtido" e compartilhado para outros membros da rede social. Odes à Cassia Eller, famosa cantora lésbica e atleticana e a Toninho Cerezo, pai da transexual e modelo Lea T são a pauta do dia na página. No mundo real, a Galo Queer pretende se fazer presente, mas ainda receia.

"Existe a vontade de levar o movimento para o campo, mas claro, de uma forma que proteja a integridade física das pessoas que estão envolvidas, mas não sabemos até que ponto isso é possível. Uma coisa que gostaríamos de fazer é entrar em contato com o clube e ver se abraçam a ideia até para termos mais legitimidade" conta a fundadora.

Movimento não é restrito para homossexuais

Hoje na reserva do Atlético-MG, o meia Richarlysson se envolveu em polêmica em relação a sua opção sexual quando jogava pelo São Paulo. Quando contratado pelo Atlético-MG, o jogador ouviu protestos de parte da torcida mineira, mas nada comparado ao tratamento que recebia de algumas organizadas do Tricolor Paulista, que se recusavam a cantar o nome do atleta. Mesmo afirmando ser heterossexual, o fato de ouvir o nome de Richarlysson saindo da boca da torcida no jogo contra o Arsenal de Sarandí alegra Nathalia, que garante que o movimento não é restrito a torcedores homossexuais. 

"Inclusive eu me identifico como heterossexual, mas tenho uma luta ativa contra a homofobia porque é algo que não tolero e que não pode ser tolerada. É uma violência. Então não é uma torcida voltada só para o público LGBT e sim uma para todos que acreditam que o futebol tem que ser um lugar livre de intolerância". 

"Galo Queer": nome vem da luta do movimento LGBT

Galo, todos sabem, é o apelido do clube alvinegro de Belo Horizonte. "Queer" é uma palavra inglesa que, ao pé da letra, significa "estranho" ou "esquisito". Com o tempo a palavra ganhou conotação ofensiva em relação aos homossexuais, correspondendo ao termo "bicha" usado pelos brasileiros para designar homossexuais do sexo masculino.

Nos últimos tempos, a luta pelos direitos LBGT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais) vem dando novo significado ao termo, que hoje é usado para identificar pessoas ou grupos que desejam "romper com uma ordem heterossexual dominadora da sociedade contemporânea".
"Ouvimos falar que o futebol não deve ser misturado com política como se já não fosse.

Colocar o futebol como algo apolítico é ir de encontro com o interesse das forças dominantes. Enquanto o futebol, algo tão importante na sociedade, for um lugar onde tudo é permitido, o preconceito nunca vai acabar pois sempre acontecerão nestas arenas protegidas", finaliza, receosa e esperançosa, a fundadora do movimento que, se não revoluciona o futebol, ao menos toca em um de seus tabus mais fortes e menos discutidos.


Fonte: http://www.espn.com.br/noticia/322413_torcedores-do-atletico-mg-criam-pagina-no-facebook-contra-homofobia-no-futebol

Facebook: http://www.facebook.com/pages/Galo-Queer/260183954118767

http://www.facebook.com/pages/Cruzeiro-Anti-homofobia/375639472555904

=======================
No RS já existem iniciativas parecidas. Estou pesquisa para postar. Aguarem!

Nenhum comentário:

ESTAMOS DE OLHO!

Pesquisa do Senado sobre a PLC 122/06 que criminaliza a HOMOFOBIA:

Os resultados da pesquisa de opinião realizada pelo Senado Federal a respeito da PL 122/06, que criminaliza a homofobia e outros crimes de discriminação, ainda não foram divulgados.

Isso nos preocupa um pouco, na medida em que os resultados acompanhados em tempo real pelo site, durante o mês de novembro, em vários momentos retrocederam em números reais.
Órgãos da imprensa noticiavam tentativa de invasão e possíveis alterações dos resultados (favorecendo o NÃO ao projeto).
Mandamos - novamente - mensagem ao "Alô Senado" esta semana para saber o que realmente ocorreu e ficaremos acompanhando suas respostas já que este projeto, além de interesse público geral, é de interesse específico das mulheres lésbicas de todo o país.

PESQUISA - divulgação de resultados

PESQUISA - divulgação de resultados
02 locais e horários diferentes em Porto Alegre, dia 11-05

Feministas unificam apresentação da pesquisa!

A apresentação da pesquisa "Mulheres Brasileiras nos espaços Públicos e Privado" será apresentada para TODO O MOVIMENTO FEMINISTA num único horário em POA:
11-05, das 9 às 11h30, no Auditório da CUT-RS.

Adote esta campanha!

Adote esta campanha!
Acorda Congresso!

Pela Aprovação do PLC122/06

Pela Aprovação do PLC122/06
Vote a favor do projeto pelo link http://www.naohomofobia.com.br/

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres
16 dias de ativismo

Homens pelo fim da Violência contra as mulheres

Homens pelo fim da Violência contra as mulheres
http://www.homenspelofimdaviolencia.com.br/

SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

MANIFESTO LÉSBICO FEMINISTA ANTI-CAPITALISTA

29 de Agosto de 2008
Cique AQUI para acessar