sexta-feira, 19 de abril de 2013

Enquanto fundamentalistas protestam à vontade, militantes gays e negros são barrados no Congresso Nacional

Folha de São Paulo - Enquanto fundamentalistas protestam à vontade, militantes gays e negros são barrados no Congresso Nacional

 
17/04/13 - 23:30

POR Vitor Angelo
O Congresso Nacional é conhecida como a casa do povo, assim deveria ser, mas no fundo não passa do mais fiel retrato do nosso país, um lugar que segrega e que, no fundo, tem medo do própria população que deveria representar.  Claro que a lógica reacionária chama os protestos de baderna, é a antiga cantilena de demonizar o inimigo, de tirar a voz daqueles que ousam se pronunciar, e sim, no grito, pois muita coisa está engasgada para o brasileiro. É preciso gritar, pois eles – nossos congressistas, em sua maioria – estão surdos na arrogância da soberba do poder. Ontem, os índios conseguiram "invadir" a barbárie que estava acontecendo no silêncio do plenário quando os políticos queriam tirar do Executivo o poder de demarcar as terras indígenas e assim facilitar a bancada ruralista – mancomunada com os fundamentalistas religiosos – de diminuir as áreas das terras indígenas. Foram chamados de baderneiros. Mas, nesta quarta-feira, 17, eles foram barrados, mas não só eles, o movimento negro e LGBT também ficou de fora a princípio da tal "casa do povo".
Para o Blogay, o militante Todd Tomorrow, um dos responsáveis pelas passeatas em São Paulo contra Marco Feliciano e o fundamentalismo religioso relatou: "Os índios que estavam no Congresso foram expulsos. Chegamos de ônibus com o pessoal da Educafro. Já na entrada do anexo 3, também fomos barrados! A policia legislativa disse que estava muita bagunça e que não deixaria ninguém entrar. Olha só, a casa do povo, tomada pelo poder econômico e pelos obscurantistas. Índios, negros, LGBTs, tudo jogado na calçada".
E continua: "Depois de muito debate com a polícia, conseguimos com que algumas pessoas dos movimentos sociais entrassem. Então começamos a pressionar de dentro e de fora: 'Deixa o povo entrar! Deixa o povo entrar!" Foi só então que alguns parlamentares foram até a porta e fizeram alguma coisa, como pressionar o Henrique Alves (PMDB- RN) que ontem saiu correndo dos índios depois de tentar vender suas terras para bancada ruralista. La dentro, encontramos um cenário desolador. Os manifestantes pró-Feliciano já estavam lá, acomodados e tomando suquinho. Tudo pronto pra mostrar para imprensa que o pastor-deputado tinha amplo apoio. Os poucos manifestantes LGBTs que tinham conseguido entrar até então, estavam exauridos. Quando viram o movimento negro chegando, se encheram de esperança e encontraram forças pro embate dessa guerra cultural instalada no Brasil. Foi lindo! E o Feliciano, ficou chocado! Pois viu que o movimento negro agora tá na fita".
Movimento negro protesta contra o fundamentalismo religioso no Congresso Nacional, nesta quarta-feira, 17 (Reprodução/Facebook)
O resultado deste embate foi que "no final, a Frente Parlamentar Pelos Direitos Humanos quis falar com a gente e conseguimos cavar uma audiência pública para daqui algumas semanas", como conta Todd.
Movimento social e LGBT protestam contra o fundamentalismo no Congresso Nacional (Reprodução/Facebook)
Agora, fica mais claro a rua de mão única que se desenha no Congresso. Grupos religiosos ligados aos fundamentalistas foram à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados e pediram pelo saída  dos deputados José Genoino (PT-SP) e João Paulo Cunha (PT-SP). Oras, a sessão continuou aberta, e mesmo com o falatório e placas dos fundamentlsitas religiosos, eles não apanharam da polícia legislativa como os diversos relatos contados por militantes LGBTs inclusive em vídeo do Uol e puderam exercer seu protesto. Isto se chama democracia. Da mesma forma que estes políticos escutarem os protestos, Feliciano também deveria ser democrático e escutar o que as pessoas têm a dizer a ele, e não se prender em uma masmorra de marfim.  Ou o fato de ser fundamentalista te torna menos baderneiro que os outros? Isto não seria privilégio ou ditadura do fundamentalismo religioso?

Nenhum comentário:

ESTAMOS DE OLHO!

Pesquisa do Senado sobre a PLC 122/06 que criminaliza a HOMOFOBIA:

Os resultados da pesquisa de opinião realizada pelo Senado Federal a respeito da PL 122/06, que criminaliza a homofobia e outros crimes de discriminação, ainda não foram divulgados.

Isso nos preocupa um pouco, na medida em que os resultados acompanhados em tempo real pelo site, durante o mês de novembro, em vários momentos retrocederam em números reais.
Órgãos da imprensa noticiavam tentativa de invasão e possíveis alterações dos resultados (favorecendo o NÃO ao projeto).
Mandamos - novamente - mensagem ao "Alô Senado" esta semana para saber o que realmente ocorreu e ficaremos acompanhando suas respostas já que este projeto, além de interesse público geral, é de interesse específico das mulheres lésbicas de todo o país.

PESQUISA - divulgação de resultados

PESQUISA - divulgação de resultados
02 locais e horários diferentes em Porto Alegre, dia 11-05

Feministas unificam apresentação da pesquisa!

A apresentação da pesquisa "Mulheres Brasileiras nos espaços Públicos e Privado" será apresentada para TODO O MOVIMENTO FEMINISTA num único horário em POA:
11-05, das 9 às 11h30, no Auditório da CUT-RS.

Adote esta campanha!

Adote esta campanha!
Acorda Congresso!

Pela Aprovação do PLC122/06

Pela Aprovação do PLC122/06
Vote a favor do projeto pelo link http://www.naohomofobia.com.br/

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres
16 dias de ativismo

Homens pelo fim da Violência contra as mulheres

Homens pelo fim da Violência contra as mulheres
http://www.homenspelofimdaviolencia.com.br/

SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

MANIFESTO LÉSBICO FEMINISTA ANTI-CAPITALISTA

29 de Agosto de 2008
Cique AQUI para acessar