quarta-feira, 5 de junho de 2013

Por que ser contra o Estatuto do Nascituro, por Thais Lapa

Ser contra o Estatuto do Nascituro não é ser contra a vida. É observar que o que está em jogo na discussão do tema aborto é a vida de um ser humano constituído e sujeito de direitos, a mulher
04/06/2013
 
Thaís de Souza Lapa
 
O tema aborto é complexo e permeado de conflitos: admitir a maternidade como uma opção e não uma obrigação é ainda imenso tabu e o controle social da função reprodutiva das mulheres é um dos pontos centrais de disputa em nossa sociedade. Neste contexto, grupos conservadores, sob o aparente interesse da proteção à vida, combatem qualquer medida que favoreça a escolha da mulher sobre sua reprodução, opondo-se inclusive a direitos já conquistados.
Uma estratégia recente destes grupos foi a proposta do Estatuto do Nascituro, que visa estabelecer direitos a embriões, com base na crença de que a vida tem início desde a concepção e na ideia equivocada de que o embrião é já uma pessoa. Tal projeto de lei (PL 478/2007) tramita na Comissão de Finanças e Tributação do Congresso Nacional, onde entrará provavelmente em pauta na próxima quarta-feira,05/06. Se aprovado, derrubará qualquer direito de a mulher decidir pela interrupção da gravidez, mesmo nas situações já garantidas por lei no país - casos que decorram de estupro, causem risco de vida da gestante ou quando os fetos têm anencefalia.
Ser contra o Estatuto do Nascituro não é ser contra a vida. É observar que o que está em jogo na discussão do tema aborto é a vida de um ser humano constituído e sujeito de direitos, a mulher. Nascituros não são pessoas, são vidas em potencial, e o direito à proteção jurídica da vida desde a concepção não existe em nosso ordenamento jurídico constitucional, nem nos tratados internacionais que o Brasil ratificou. Então, pode-se dizer que "nascituro" é criação para dar personalidade jurídica às convicções morais de homens que desejam controlar a reprodução das mulheres pela lei penal.
O projeto do Estatuto é equivocado não apenas por pautar-se em noções distorcidas sobre o que é "pessoa", mas porque viola direitos humanos das mulheres, a Constituição Federal e o código penal. A Comissão de Bioética/Biodireito da OAB/RJ elaborou parecer identificando 14 equívocos/inconstitucionalidades do Estatuto do Nascituro, revelando violações ao direito de liberdade da gestante, à sua dignidade, autonomia, segurança e ao seu direito à saúde. O projeto legitima a violência contra a mulher, porque sujeita a vítima de violência sexual a desenvolver relações pessoais com o estuprador, dando ele direitos e obrigações da paternidade como pagar pensão, constar na certidão de nascimento e conviver com a criança. Além disso, enquanto o Estatuto propõe que o nascituro tenha "prioridade absoluta" no acesso às políticas públicas e receba uma "bolsa-estupro" de um salário mínimo até os 18 anos, a menina/mulher violentada, caso sobreviva ao parto, sequer é mencionada. Há mais inconstitucionalidades, como a proibição de pesquisas com células-tronco, de manifestação pública sobre liberalização do aborto e até do estudo do fenômeno.
O PL também fere o Estado Laico, que não pode ser instrumentalizado para privilegiar interesses particulares de doutrinas religiosas, mas deve garantir que ninguém seja impedido de acessar políticas públicas por conta de valores específicos/inconstitucionais. Países de maioria católica como Portugal legalizaram o aborto; o acúmulo feminista no debate prova que o problema do aborto não é de ordem religiosa, mas de discriminação de gênero (as mulheres são todas vulneráveis à criminalização dos abortos ilegais) e de classe social (as mulheres ricas têm ao menos condições de abortar de maneira segura, diferente das pobres).
Recentemente, a autorização de abortos de fetos anencéfalos e a posição dos Conselhos Federais de Psicologia e Medicina em favor da legalização do aborto marcaram avanços no tema. E há organizações mobilizadas contra o PL, como as que integram a Frente Nacional contra a Criminalização das Mulheres e pela Legalização do Aborto eJornadas Pelo Aborto Legal e Seguro. Porém, para evitar retrocessos como a aprovação deste PL, o tema precisa ser apropriado por setores mais amplos de nossa sociedade que lutam contra a opressão e exploração de nosso povo. Não se trata de luta específica de feministas, mas de uma ameaça às mulheres brasileiras, agentes fundamentais na transformação social e que não podem ser sistematicamente subjugadas e terem seus direitos mínimos violados. Ser contra o Estatuto é luta de todos comprometidos com um projeto popular para o Brasil.      
 
*Thaís de Souza Lapa é socióloga, militante da Marcha Mundial de Mulheres e integrante do Comitê Latino Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher (CLADEM). Integra a Frente Contra a Criminalização das Mulheres e Pela Legalização do Aborto de São Paulo.

Nenhum comentário:

ESTAMOS DE OLHO!

Pesquisa do Senado sobre a PLC 122/06 que criminaliza a HOMOFOBIA:

Os resultados da pesquisa de opinião realizada pelo Senado Federal a respeito da PL 122/06, que criminaliza a homofobia e outros crimes de discriminação, ainda não foram divulgados.

Isso nos preocupa um pouco, na medida em que os resultados acompanhados em tempo real pelo site, durante o mês de novembro, em vários momentos retrocederam em números reais.
Órgãos da imprensa noticiavam tentativa de invasão e possíveis alterações dos resultados (favorecendo o NÃO ao projeto).
Mandamos - novamente - mensagem ao "Alô Senado" esta semana para saber o que realmente ocorreu e ficaremos acompanhando suas respostas já que este projeto, além de interesse público geral, é de interesse específico das mulheres lésbicas de todo o país.

PESQUISA - divulgação de resultados

PESQUISA - divulgação de resultados
02 locais e horários diferentes em Porto Alegre, dia 11-05

Feministas unificam apresentação da pesquisa!

A apresentação da pesquisa "Mulheres Brasileiras nos espaços Públicos e Privado" será apresentada para TODO O MOVIMENTO FEMINISTA num único horário em POA:
11-05, das 9 às 11h30, no Auditório da CUT-RS.

Adote esta campanha!

Adote esta campanha!
Acorda Congresso!

Pela Aprovação do PLC122/06

Pela Aprovação do PLC122/06
Vote a favor do projeto pelo link http://www.naohomofobia.com.br/

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres
16 dias de ativismo

Homens pelo fim da Violência contra as mulheres

Homens pelo fim da Violência contra as mulheres
http://www.homenspelofimdaviolencia.com.br/

SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

MANIFESTO LÉSBICO FEMINISTA ANTI-CAPITALISTA

29 de Agosto de 2008
Cique AQUI para acessar